Aparelho auditivo discreto: entenda o que é e como funciona

Aparelho auditivo discreto: entenda o que é e como funciona

Se você tem problemas de audição ou lida com pessoas próximas que tenham, é muito importante conhecer melhor sobre os aparelhos, para que você possa escolher ou mencionar as opções existentes. Há três tipos principais: RIC (receiver in canal), BTE (behind the ear) e ITE (in the ear). O BTE fica atrás da orelha e o ITE dentro da orelha. Por conta disso, eles não são tão confortáveis quanto o RIC, conhecido como aparelho auditivo discreto.

Se você quer saber mais sobre o RIC, continue a leitura deste post e confira!

O que é o aparelho discreto?

O aparelho auditivo discreto RIC é o tipo mais tecnológico do mercado. Isso porque o receptor fica fora da caixa do aparelho, onde se localiza a bateria e outras partes, e é encaixado no canal auditivo diretamente.

Essa estrutura torna-os mais anatômicos, o que significa um maior conforto e discrição. Muitas pessoas preferem não aparentar que precisam utilizar aparelho para surdez e, nestes casos, é fundamental optar pelo RIC.

Como ele funciona?

Todos os AASI (Aparelhos de Amplificação Sonora Individual) funcionam de maneira semelhante, sendo que tanto o RIC quanto o BTE e o ITE são AASIs.

Qualquer aparelho auditivo possui um microfone, um amplificador e um receptor. O microfone capta as ondas sonoras, o amplificador as altera, para serem mais fáceis de ouvir, e o receptor transmite para o ouvido.

É importante frisar que os aparelhos auditivos funcionam para quem tem a audição seriamente prejudicada, mas não são ideais para aos que são totalmente surdos, ou devem ser usados por quem sofreu perda gradativa da audição, devido à idade avançada.

Qual a tecnologia usada?

No aparelho auditivo discreto, a grande diferença tecnológica é que o receptor fica dentro do ouvido, enquanto o microfone e o amplificador ficam atrás da orelha. Isso permite que ambas as partes sejam menores e mais confortáveis.

Na parte principal do aparelho, isto é, onde ficam o microfone e o amplificador, também é possível encontrar a bateria e os controles do aparelho. Neles o usuário pode ajustar o volume, programas e outras preferências.

Que benefício possui por ser mais discreto?

A tecnologia do aparelho auditivo do tipo RIC é mais avançada, o que permite que ele seja menor e, ainda assim, mais eficaz. Como o receptor fica diretamente conectado ao ouvido, é possível evitar ruídos de fundo.

Além disso, geralmente, o aparelho auditivo discreto conta com uma bateria menor, o que proporciona mais conforto. Só é preciso ficar atento quanto à frequência de troca ou carregamento da bateria, que, por seu tamanho, pode durar menos.

Para que casos ele é indicado?

Como já mencionamos, esse tipo de aparelho é indicado para casos de surdez leve a moderada, ou seja, quando a perda da audição é parcial. Quem tem surdez grave e bilateral se beneficiará muito mais do IC ou Implante Coclear.

O RIC também é o tipo de aparelho ideal para quem tem as orelhas sensíveis ou pequenas, por proporcionar mais conforto. É recomendado especialmente para crianças, que podem se recusar a usar aparelhos maiores e menos estéticos.

Quais os tipos?

Apesar de serem menos discretos que o RIC, os modelos BTE e ITE também são relativamente discretos e podem ser a opção ideal para algumas pessoas. Por isso, não deixe de consultar o modelo ideal para você.

Além da localização na orelha, também é possível classificar os aparelhos de surdez pela sua fonte de energia: há aqueles que funcionam com pilha, os que usam bateria, mas ela precisa ser trocada com frequência, e os com bateria recarregável.

Um aparelho com bateria recarregável é mais prático, pois a troca das pilhas, em alguns casos, pode ser feita até duas vezes por semana — tudo dependerá da capacidade dela e da rotina de uso. Ainda, há as tecnologias, como filtro do som de vento, redução do ruído funcional (o ruído de fundo feito pelo próprio aparelho), entre outras.

Como começar a usar?

Se você notou uma redução na qualidade da sua audição ou de alguém de sua família, o primeiro passo é procurar um otorrinolaringologista. Esse é o profissional mais indicado para avaliar seu canal auditivo.

A seguir, você também deve se consultar com um fonoaudiólogo, que ajudará a entender as suas necessidades funcionais em relação à sua audição.

É o fonoaudiólogo quem indicará o uso de aparelho de surdez e qual o melhor tipo para você. Este é o momento de tirar todas as suas dúvidas e pedir recomendações de modelo.

Lembre-se que, mesmo que um dos ouvidos esteja mais prejudicado que o outro, é importante usar o aparelho de surdez em ambos, para uma melhor qualidade dos sons e para haver estímulo aos dois lados.

Como cuidar do aparelho?

O aparelho auditivo traz muita qualidade de vida para o usuário, porém, é um produto caro. Desta forma, é fundamental que você o manuseie com extremo cuidado, para que dure por muito tempo.

Ao adquirir um aparelho de surdez, você terá acesso a um manual completo, indicando os cuidados com armazenamento, reparos e limpeza, que deve ser realizada com frequência, para evitar danos ao produto ou infecções.

Além disso, o ideal é evitar umidade e contato com cosméticos e colocá-lo com calma e cuidado, sempre na cama ou próximo a superfícies macias, para evitar danos caso o aparelho caia de suas mãos ou orelha.

Onde comprar seu aparelho?

Existem muitas empresas que trabalham com aparelho auditivo discreto no mercado. É importante encontrar uma fabricante de confiança, que ofereça garantia para o produto, suporte e acompanhamento.

É importante dirigir-se a uma loja especializada e conversar com um vendedor capacitado sobre as suas necessidades e preferências, além das indicações do seu otorrinolaringologista.

Com esses dados em mãos será possível determinar qual o melhor modelo: aquele que é preciso, confortável e prático, com comandos intuitivos e uma boa duração de pilha ou bateria.

Se você ainda tem dúvidas e quer saber mais sobre aparelho auditivo discreto, entre em contato conosco e comece a melhorar a sua qualidade de vida hoje mesmo!

Compartilhar este Artigo