7 dicas de como melhorar a comunicação com deficientes auditivos

7 dicas de como melhorar a comunicação com deficientes auditivos

7 dicas de como melhorar a comunicação com deficientes auditivos

Sabemos que a comunicação com deficientes auditivos pode ser uma grande dificuldade, especialmente para quem convive com quem tem esse problema. A longo prazo, as conversas acabam se tornando exaustivas e o relacionamento pode ser prejudicado se não houver cuidado.

Para evitar que isso aconteça, bem como melhorar o diálogo e um relacionamento que não esteja muito bom, existem alguns cuidados que você pode ter ao interagir com um deficiente auditivo. Afinal, a fala e a audição apresentam grande importância dentro da comunicação.

Pensando nisso, preparamos este artigo com sete dicas para quem deseja melhorar a comunicação com deficientes auditivos. Ficou curioso para conferir? Continue acompanhando!

1. Seja expressivo

Seja expressivo

Quando pensamos em comunicação logo a associamos principal ou exclusivamente à nossa fala e língua, não é? Porém, saiba que ela vai muito além disso. Existem gestos e coisas que fazemos que facilitam a compreensão.

Para entender melhor como isso funciona, pense nos gestos que fazemos com a cabeça quando dizemos sim ou não. Esses movimentos são tão comuns que até se tornam involuntários.

Desse modo, mexemos a cabeça para cima e para baixo quando concordamos ou de um lado para o outro quando discordamos. Pode ser difícil dizer sim e balançar a cabeça para os lados com movimentos de não. Esse é apenas um exemplo de como podemos ser expressivos além da fala.

Visto isso, ao conversar com um deficiente auditivo, tente ser bastante expressivo com o seu rosto, além de fazer gestos com as mãos e o corpo. Tudo isso funcionará como complemento para a sua fala, facilitando o entendimento dela.

2. Tente a comunicação escrita

Tente a comunicação escrita

Se o problema na comunicação é o entendimento do que falamos, pode ter certeza que a escrita é um ótimo recurso para conversar sem dificuldades com deficientes auditivos. Isso pode ser muito útil em diversas situações.

Veja bem, quando estiver conversando pelas redes sociais, opte por escrever em vez de mandar áudios sempre que possível. Fora dessa situação, é preciso considerar melhor a alternativa.

Tente sempre conversar oralmente quando estiver com a pessoa. Caso haja grande dificuldade no entendimento, opte por utilizar a comunicação escrita como um segundo recurso para deficientes com um alto grau de perda auditiva ou conversas mais complexas. Além disso, vale usar objetos à sua volta para exemplificar.

3. Use frases curtas

Use frases curtas

Em algumas situações, é comum que comecemos a falar praticamente sem parar, principalmente quando estamos contando uma história ou explicando algo. Mas dar muitas informações de uma vez pode dificultar o entendimento do que você está dizendo.

Sem contar que, nessas situações, acabamos falando mais rápido sem perceber. Para que isso não atrapalhe, o ideal é transmitir o que deseja por meio de frases curtas e pausadas, certificando-se de que o ouvinte compreendeu tudo antes de passar para a próxima parte.

Isso o ajuda a entender com mais facilidade tudo o que você quer dizer e evita que precise repetir coisas ditas no começo da fala. Dessa maneira, a conversa ficará mais fluida e confortável para os dois lados.

4. Fale de frente para ele

Fale de frente para ele

Falar de frente para um deficiente auditivo olhando nos olhos dele é uma dica que facilita bastante o entendimento da conversa mesmo para quem usa aparelho auditivo. Isso acontece por diversos motivos, sendo um deles o fato de a pessoa saber que você está falando com ela.

Estar de frente também facilita que o ouvinte observe suas expressões faciais para entender se você está sendo sério, irônico, bravo, feliz, já que é difícil que a pessoa consiga perceber esses estados só pelo tom de voz.

Além disso, o movimento da sua boca pode facilitar muito, uma vez que muitos deficientes apresentam uma leitura labial mais aguçada. Por isso, sempre se sente de frente e evite continuar falando ao virar a cabeça ou quando a pessoa não estiver olhando.

5. Fale devagar

Fale devagar

Falar devagar é um cuidado essencial para que o ouvinte consiga compreender o que você diz tanto pela audição como pela leitura labial. Se você tem costume de falar rápido, é interessante ficar atento para evitar que isso aconteça, sem contar que esse pode ser um hábito relacionado à região em que mora.

Contudo, também é importante ficar atento para não falar devagar demais. A fala deve ser lenta, mas só o suficiente para que a pessoa não se perca. Não é necessário falar de forma pausada e separando as sílabas — inclusive, isso pode atrapalhar em uma boa comunicação, pois ambos podem ficar entediados.

6. Não altere o tom de voz

Não altere o tom de voz

Muitas vezes, ao conversar com deficientes auditivos, sentimos a necessidade de alterar o tom de voz, especialmente quando temos que repetir alguma frase que a pessoa não entendeu na primeira vez.

Isso costuma acontecer de diversas formas, desde ao falar muito devagar, exagerar na altura da voz, até deixar que as emoções modifiquem o modo como conversamos. Porém, saiba que isso não é necessário se você conseguir usar as dicas anteriores.

Ao falar mais lentamente, sendo expressivo e objetivo, sem dúvidas o ouvinte terá maior facilidade de compreender o que você está tentando dizer e a conversa será muito mais fluida. Só aumente a altura da voz caso a pessoa peça.

No mais, isso fortalece relacionamento entre os dois, pois o deficiente se sentirá confortável para conversar com você uma vez que entenderá melhor as falas e não terá a sensação de que você está sem paciência.

7. Não fale enquanto estiver mastigando

Não fale enquanto estiver mastigando

Caso esteja conversando com um deficiente auditivo em uma mesa com comida, não se sinta inclinado a manter uma conversa contínua com ele. Em vez disso, é mais indicado falar apenas nos intervalos em que não estiver mastigando.

O gesto de falar com comida na boca não só pode ser interpretado pelo ouvinte como falta de educação, como também gera muitos ruídos que atrapalham a leitura labial e, por consequência, o entendimento.

A princípio, a comunicação com deficientes auditivos pode parecer difícil, mas, assim que você pegar o jeito, ela se tornará muito mais fluida. Além disso, pequenas mudanças já fazem grande diferença tanto no entendimento como na relação com o ouvinte, uma vez que ele saberá que você se importa e está se esforçando.

Este artigo ajudou a esclarecer as suas dúvidas sobre o assunto? Aproveite para compartilhá-lo nas redes sociais para que os seus amigos também saibam como conversar com deficientes auditivos!

Compartilhar este Artigo