Tudo o que você precisa saber sobre o audiograma

Tudo o que você precisa saber sobre o audiograma

A perda da capacidade auditiva pode surgir inesperadamente. É comum que ela comece tão leve que mal possa ser percebida. Então, com o passar do tempo, a audição vai diminuindo progressivamente, até que a pessoa perceba que já não ouve tão bem. Esse caso soa familiar? Se sim, o melhor a fazer é procurar um médico, pois você pode estar precisando de um audiograma.

O audiograma é uma ferramenta da audiometria, principal exame utilizado para a avaliação da perda auditiva. Ele é o primeiro passo para descobrir se você tem um problema de audição e quais as suas causas. A partir daí, o tratamento pode ser guiado por caminhos diferentes. Gostaria de saber mais sobre o assunto? Então, continue lendo o post!

O que é a audiometria?

A audiometria geralmente é solicitada por otorrinolaringologistas e realizada por fonoaudiólogos certificados. Com esse exame auditivo, o médico pode quantificar a perda da audição, ou seja, descobrir quão bem você está escutando. Além de auxiliar no diagnóstico da doença, a audiometria também estima o grau da perda auditiva.

Durante a audiometria, o paciente se senta em uma cabine à prova de som, que isola o ruído externo. O fonoaudiólogo acompanha o exame por trás de uma janela de vidro, e a comunicação com ele é exclusivamente feita por um microfone. O teste por si só é simples: você colocará um fone de ouvido, que emitirá sons em cada orelha, separadamente. O fonoaudiólogo solicitará, então, que você aperte um botão quando conseguir ouvir o som. Simples assim.

O objetivo desse teste é identificar o chamado “limiar de audição”, ou seja, a intensidade mínima em que você consegue ouvir diferentes frequências. A intensidade é medida em decibéis (dB) e corresponde similarmente ao “volume” do som. Para se ter uma ideia, o trânsito de uma cidade emite um som de aproximadamente 90 dB. Já um sussurro produz apenas 30 dB.

A frequência, por outro lado, mede se o som é agudo ou grave. Para entender o que ela significa, basta imaginar as teclas de um piano: as mais à esquerda têm uma frequência menor, enquanto as mais à direita têm uma frequência maior. Medimos essa frequência em Hertz (Hz). Uma pessoa que ouve normalmente consegue identificar sons entre 20 e 20.000 Hz.

Em seguida, pode ser realizada a audiometria vocal. Nela, você ouvirá uma série de palavras em diferentes volumes, tendo que repeti-las em seguida. Esse procedimento é útil para identificar o entendimento das palavras. Afinal, não é porque você escuta que necessariamente você entende. Após o exame, o fonoaudiólogo reunirá as informações sobre os diferentes limiares de audição e desenhará um gráfico, chamado de audiograma.

O que é um audiograma e como interpretá-lo?

O audiograma é um gráfico construído sob dois eixos, semelhante a um plano cartesiano. No eixo vertical, temos a intensidade do som, medida em decibéis; no horizontal, temos a frequência do som, medida em Hertz. Quanto mais baixa está a linha, maior a intensidade. E, quanto mais à direita, maior a frequência.

Nesse gráfico são desenhadas duas linhas, geralmente vermelha e azul. A linha vermelha corresponde ao ouvido direito, enquanto a azul indica o ouvido esquerdo. Cada ponto da linha indica a intensidade mínima em que um ruído de determinada frequência consegue ser ouvido. Caso as linhas pareçam estar “caindo” no gráfico, por exemplo, temos um indicativo que frequências mais agudas necessitam de uma intensidade maior para serem identificadas.

A informação mais visível que o audiograma nos dá é a simetria da audição: caso as linhas vermelha e azul estejam muito discrepantes, há um indicativo que a perda de audição ocorre mais em um lado do que no outro. É importante termos em mente que uma pequena variação é normal.

Durante uma conversa casual, as frequências variam entre 500 Hz e 3.000 Hz. Por isso, essa faixa é crucial para a interpretação do exame, pois identifica a compreensão da fala. Além disso, o gráfico também ajuda na definição do grau da perda auditiva. A gradação é utilizada a partir do limiar de audição, seguindo os seguintes critérios:

  • audição normal: até 25 dB;
  • perda auditiva leve: entre 26 dB e 40 dB;
  • perda auditiva moderada: entre 41 dB e 55 dB;
  • perda auditiva moderadamente severa: entre 56 dB e 70 dB;
  • perda auditiva severa: entre 71 dB e 90 dB;
  • perda auditiva profunda: acima de 91 dB.

Conforme a classificação do paciente, as medidas terapêuticas podem ser modificadas. Uma perda auditiva leve, por exemplo, pode ser tratada com aparelhos auditivos mais discretos e flexíveis. Uma severa necessita de equipamentos mais potentes. Quando a perda auditiva já é profunda, o transplante coclear pode ser indicado.

O audiograma, no entanto, não é útil apenas para os casos mais graves. Diagnosticando a perda auditiva em seus estágios iniciais, quando os sintomas ainda são inespecíficos, é maior a chance de sucesso do tratamento. Além disso, manter uma audição defeituosa faz com que o cérebro se “acostume”, dificultando a recuperação auditiva.

O que é a banana da fala?

Se você conhece alguém que já passou por uma audiometria ou já tem seu próprio audiograma, deve conhecer a “banana da fala”. Ela corresponde a uma área no gráfico em que as intensidades e frequências da fala geralmente se encontram. O nome peculiar é devido ao formato dessa área, que lembra uma banana.

Ter gráficos no audiograma correspondentes a essa área é um bom sinal: significa que você tem o limiar auditivo semelhante ao da população normal e consegue ouvir e compreender conversações. Caso as linhas estejam muito distantes da banana da fala, a compreensão linguística pode ser afetada.

O audiograma é uma ferramenta rica para a audiometria. Como você pôde observar, ele não apenas diagnostica a perda auditiva, mas também verifica a capacidade de conversação, analisa a simetria da audição e fornece a gradação da perda auditiva. Por esses motivos — e pelo fato de o exame ter se tornado mais eficaz e barato nos últimos anos — o audiograma é tão popular.

Quer se aprofundar um pouco mais no tema? Descubra já o que é o teste auditivo e quais são suas principais funcionalidades!

Compartilhar este Artigo