Você sabe se está na hora de trocar de aparelho auditivo?

Você sabe se está na hora de trocar de aparelho auditivo?

Será que já está na hora de trocar de aparelho auditivo? Essa é uma pergunta que atormenta os usuários porque muitos não sabem identificar essa questão.

Os aparelhos auditivos são de grande valia para as pessoas com esse tipo de deficiência, e isso não é segredo para ninguém. No entanto, a adaptação é um caminho longo e que exige paciência, pois os resultados aparecem devagar, de acordo com os ajustes que serão realizados pelo especialista.

Como qualquer outra ferramenta, o aparelho auditivo tem uma vida útil, que varia de acordo com vários fatores. É isso que vamos explicar para você neste post. Continue a leitura até o final e descubra se está na hora de trocar de aparelho auditivo!

Como escolher o aparelho auditivo?

Depois que o tempo de vida útil do aparelho auditivo excede, ele não proporciona mais os benefícios de antes. Nesse momento, é hora de optar por um novo, a fim de atender às necessidades do paciente. Estética, recursos e conforto são fatores que precisam ser levados em consideração no momento da escolha.

Geralmente o profissional sugere a troca do aparelho quando há uma evolução na tecnologia e as melhorias atendem às necessidades do paciente.

O paciente pode apresentar um agravamento  de audição, por exemplo, sendo preciso utilizar um aparelho mais potente. No entanto, isso pode gerar um incômodo por diversas razões — a principal delas é a estética. Nesses casos, é oferecida a troca para aparelhos potentes e ainda discretos e que atendam às necessidades do paciente.

Como superar as fases de adaptação?

Em todos os acompanhamentos são dadas orientações tanto para o usuário quanto para a família. Uma das orientações mais básicas é a necessidade de usar o aparelho auditivo por pelo menos 8 horas ao dia para a estimulação central. Além disso, também são repassadas algumas estratégias em casa para favorecer o entendimento sobre o assunto. São dicas simples, que fazem toda a diferença no dia a dia.

A adaptação varia de pessoa para pessoa e do nível de processamento de cada um, mas geralmente leva de 6 meses a um ano.

Para superar essa fase de adaptação é preciso que o paciente siga à risca todas as instruções repassadas pelo fonoaudiólogo, desde os exercícios em casa até o comparecimento a todas as consultas. Dessa forma, a adaptação se torna mais eficaz.

Por que trocar pode ser a melhor solução?

Todo ano são desenvolvidos produtos cada vez mais tecnológicos, que vão melhorar a adaptação e a qualidade de vida dos pacientes. Os aparelhos revolucionários de agora são ótimos exemplos disso, visto que não usam pilha.

Aos pacientes que viajam muito ou têm dificuldade em manusear uma pilha, é oferecido esse tipo de tecnologia, que permite que ele tire o aparelho do ouvido e coloque no carregador, tire do carregador e coloque no ouvido, aumentando a praticidade do processo.

Um paciente novo, que não conhece os dispositivos, é incapaz de diferenciar os recursos que existem em uma linha mais tecnológica porque ele nunca vivenciou isso. Sendo assim, o ideal é começar com uma plataforma que tem um custo mais baixo para que ele possa vivenciar tudo e, com o passar dos anos, oferecer plataformas com mais recursos — pois nesse momento ele já vai saber diferenciar as opções, entendendo as vantagens de cada uma.

Para as trocas, o profissional sempre pensa no benefício do paciente. Quando a pessoa já é usuária de aparelhos auditivos, ela sabe o custo-benefício do primeiro investimento, e quando ela tem a experiência de uma nova plataforma e entende todos os diferenciais, esse novo custo-benefício faz ainda mais sentido.

Qual é o momento certo para trocar de aparelho auditivo?

O momento certo para realizar a troca do aparelho auditivo varia de pessoa para pessoa. Sendo assim, não podemos dar um prazo exato para que a troca aconteça. No entanto, alguns sinais precisam ser observados:

  • quando o som parece ficar mais fraco;

  • quando o aparelho exige muitas manutenções em um curto espaço de tempo.

É importante salientar que a troca não vai acontecer porque o aparelho está danificado, pois apesar de parecer, esse não é um item delicado.

O objetivo do profissional é colocar todos os seus pacientes dentro de um perfil mais tecnológico, para que possam aproveitar melhor as experiências do dia a dia.

Muitos deles têm à sua disposição um banco de dados com todos os seus pacientes, e quando ocorre o lançamento de uma nova tecnologia, eles selecionam os pacientes que atendem com maior frequência ou os que demonstraram alguma dificuldade e chamam essas pessoas para uma apresentação formal da nova tecnologia na empresa.

Por que trocar pode ser a melhor solução para a qualidade de vida do usuário?

Com o aprimoramento da fabricação dos aparelhos auditivos, os pacientes têm muito mais chances de recuperar a oportunidade de realizar suas atividades rotineiras mais simples e que fazem muita falta por causa da perda de audição. O simples fato de poder assistir TV ou falar ao telefone já é uma grande vitória para os pacientes.

Além disso, por mais que a relação com seus familiares seja a mais tranquila possível, ninguém gosta de depender de terceiros para tomar conta da sua própria vida. No momento da troca do aparelho, a independência do paciente é recuperada e ele pode voltar a ter uma vida sem a ajuda de terceiros.

Não podemos esquecer de mencionar a questão financeira. Hoje, o mercado oferece diversos tipos de aparelhos auditivos, desde os mais simples até os mais sofisticados tecnologicamente. 

Por isso, a pessoa pode iniciar a sua adaptação com um aparelho mais barato e, depois, mudar para outro que ofereça mais recursos tecnológicos, que facilitarão ainda mais a rotina. Assim, também será possível avaliar qual aparelho é mais adequado para o paciente dentro das suas condições financeiras. 

Levando tudo isso em consideração, podemos perceber o quanto a troca do aparelho auditivo pode melhorar a qualidade de vida do usuário e proporcionar a ele uma experiência positiva em relação ao uso do aparelho.

Esses pontos que mencionamos são muito importantes na hora de identificar se está na hora de trocar de aparelho auditivo. No entanto, é válido ressaltar que comparecer às consultas com o fonoaudiólogo é essencial para garantir uma boa adaptação, seja com um aparelho de tecnologia inferior, seja com um aparelho mais moderno.

Agora que você já sabe mais sobre o assunto, entre em contato conosco e conheça as alternativas que oferecemos para melhorar a qualidade de vida das pessoas com problemas auditivos!

Compartilhar este Artigo