6 dicas de qualidade de vida para idosos que vivem nas cidades grandes

6 dicas de qualidade de vida para idosos que vivem nas cidades grandes

A proporção de idosos no Brasil e em vários outros países vem crescendo muito nos últimos anos. Segundo estudos do IBGE, o número de pessoas idosas está crescendo mais rapidamente que o número de pessoas que nascem. Essas mudanças exigem que grandes alterações sejam feitas na sociedade, pois as necessidades da população não são mais as mesmas.

Além disso, o perfil dos idosos também está bem diferente, principalmente nas grandes cidades. Hoje em dia, as pessoas com mais de 60 anos são muito mais ativas, e provavelmente viverão grande parte da vida na terceira idade.

Acreditamos que a melhor idade tem que ser bem vivida. Por isso, elaboramos uma lista com algumas dicas de qualidade de vida para idosos. Confira!

1. Prática de exercícios físicos

A prática de exercícios físicos é um dos pontos mais importantes para manter a saúde em dia, o que não é diferente para os idosos. Mesmo o exercício físico mais suave tem o potencial de manter o corpo e a mente balanceados. 

É claro que sempre precisamos respeitar os limites do corpo, afinal, um corpo de 70 anos não funciona como um de 20. Mas isso não impede o idoso de se exercitar, basta regular a intensidade do exercício. Vale a pena investir em exercícios aeróbicos, fortalecimento da musculatura, aumento da flexibilidade e equilíbrio do corpo.

O exercício melhora a qualidade de vida, pois:

  • estimula o bom funcionamento do sistema imunológico;
  • melhora a saúde cardiovascular;
  • ajuda a pessoa a recuperar a confiança;
  • diminui a pressão arterial;
  • melhora a memória e o raciocínio lógico.

2. Prática de atividades intelectuais

Não é só o corpo que deve se manter ativo na terceira idade. A prática de atividades intelectuais também é essencial para o envelhecimento saudável e para a qualidade de vida para idosos. Podemos pensar na mente como um músculo do corpo, que precisa ser utilizado sempre para que continue funcionando corretamente.

A pessoa que teve um cérebro bem ativo durante a juventude, provavelmente terá uma mente mais conservada durante a velhice. O declínio neurológico é algo que vem naturalmente com o envelhecimento, mas que pode ser muito diminuído com a estimulação constante do cérebro.

Algumas dicas de práticas intelectuais incluem:

  • leitura e escrita;
  • jogos como quebra-cabeças, jogo da memória;
  • uso da internet;
  • aprendizado de uma atividade nova (dançar, tocar um instrumento, costurar).

3. Convívio social

Um dos maiores problemas relacionados à terceira idade é o aumento da incidência de depressão entre os maiores de 60 anos. Esse fenômeno está fortemente ligado com o isolamento do idoso. A pessoa que antes convivia ativamente com colegas de trabalho e amigos, passa a ficar em casa depois da aposentadoria, o que se soma às condições de saúde que surgem e dificultam a sua mobilidade.

O convívio social é de extrema importância para que o idoso se sinta parte da comunidade e continue tendo sua mente estimulada, a partir da convivência direta. Além disso, um estudo da Harvard University sobre a felicidade concluiu que as pessoas que se relacionam são mais felizes.

Alguns jeitos de promover o convívio social:

  • arrumar encontros semanais com membros das famílias;
  • deixar os netos nas casas dos avós nos fins de semana;
  • buscar atividades em grupo para idosos (aulas de ginástica, aulas de dança, cursos para a terceira idade);
  • estimular que o idoso se engaje em trabalhos voluntários.

4. Planos para o futuro

As pessoas que se aposentam costumam passar por uma grande dificuldade: a falta de rotina. Após 30 ou 40 anos acordando em um mesmo horário e trabalhando o dia inteiro, é difícil se adaptar a uma vida “à toa”. Muitos começam a se sentir inúteis dentro da sociedade, pois não desempenham mais um papel claro.

Por isso, ter planos para o futuro é de grande importância na qualidade de vida para idosos. Afinal, uma pessoa que se aposenta com 60 anos, por exemplo, tem grandes chances de viver por mais 20 anos. Imagine passar todo esse tempo ocioso.

Os planos para o futuro podem ser diversos, dependendo do que a pessoa deseja. O importante é que ela ache um novo significado para a sua vida, para o seu dia a dia. Alguns exemplos:

  • planejar uma grande viagem, conhecendo os países que sempre quis;
  • engajar-se e contribuir ativamente em algum projeto voluntário;
  • planejar a construção de uma casa, em que caiba toda a família;
  • voltar a estudar, para ter uma nova formação ou aprender uma língua.

5. Alimentação saudável

Assim como a prática de exercícios físicos, a alimentação saudável é importante em todas as fases da vida. O corpo passa por diversas alterações durante a terceira idade, que exigem alguns hábitos alimentares específicos para que continuem funcionando da melhor forma possível.

A necessidade de nutrientes muda, relacionada às mudanças hormonais e no metabolismo do corpo. Além disso, muitas vezes a pessoa apresenta condições de saúde que trazem restrições à sua alimentação. Quanto melhor a pessoa se alimentar, mais disposição terá e viverá melhor no seu dia a dia.

Algumas dicas de alimentação que aumentará a qualidade de vida para idosos:

  • ingestão mínima de 2 litros de água por dia (a desidratação é muito mais fácil de acontecer em idosos);
  • diminuição da quantidade de sal na comida (o idoso tem risco muito maior de desenvolver hipertensão arterial);
  • preferência por alimentos de origem natural, ao invés dos processados;
  • alimentação variada, com frutas, legumes e verduras.

6. Cuidado com as finanças

Pode parecer um pouco estranho falar, mas o cuidado com as finanças é muito importante para a manutenção da qualidade de vida do idoso. Afinal, as preocupações com dinheiro podem ser uma fonte de estresse e muita ansiedade, principalmente para as pessoas que não estão mais trabalhando.

Hoje em dia, muitos acreditam que a aposentadoria não precisa ser um tempo para “não fazer nada”. É claro que é preciso diminuir o ritmo de trabalho, mas a terceira idade pode ser utilizada para o desenvolvimento de atividades que a pessoa gosta e se interessa, estas podem ser remuneradas.

Na medida do possível, também é importante que o próprio idoso tenha controle sobre o seu dinheiro, sabendo quanto tem e como pode gastar. É preciso tomar cuidado nos casos em que a pessoa idosa sustenta outros familiares, pois ela pode estar se desgastando, além de “atrapalhar” que os mais jovens assumam responsabilidades.

Essas dicas de qualidade de vida para idosos podem ajudar (e muito) as pessoas a viverem plenamente na melhor idade, desfrutando da vida de um jeito novo e agradável.

E aí, gostou do texto de hoje? Se você quer saber mais sobre cuidados que podem melhorar a vida na terceira idade, continue no site e leia o texto sobre os cuidados com a audição!

Compartilhar este Artigo