Perda de audição em idosos: qual o papel do fonoaudiólogo no tratamento?

Perda de audição em idosos: qual o papel do fonoaudiólogo no tratamento?

Com o aumento da expectativa de vida, todos nós queremos viver mais e com qualidade. E os idosos de hoje são ativos, acompanham a evolução tecnológica, apreciam momentos de lazer, viajam, trabalham e realizam várias outras atividades.

Em virtude disso, eles sentem-se desmotivados quando enfrentam um problema de saúde, como a perda da audição, pois a partir do diagnóstico eles limitam a sua vida social por acharem que não estão mais aptos para conviver com outras pessoas.

Nesse caso, a função do fonoaudiólogo, como profissional da comunicação, é facilitar o processo de adaptação durante esse tratamento.

Pensando nessa realidade, escrevemos este artigo para mostrar a você a importância do papel do profissional no tratamento da perda de audição em idosos. Venha saber mais!

Qual a diferença do tratamento da perda de audição em idosos em relação aos demais?

A perda auditiva é uma condição biológica esperada, uma vez que o envelhecimento das células responsáveis pela transformação e envio do som para o cérebro pode ter início aos 40 anos de idade.

Os problemas de comunicação gerados pela perda de audição fazem com que o ato de compartilhar informações, pensamentos e ideias seja uma tarefa exaustiva para os idosos, por isso, é muito comum eles fingirem compreender o que está sendo dito e depois desistirem de continuar a interação.

Em razão disso, o tratamento da perda de audição em idosos precisa de uma atenção especial.

Os aparelhos auditivos ajudam a melhorar a função auditiva, pois, com o avanço tecnológico, esses aparelhos diminuem as más experiências, antes comuns na vida dos pacientes.

O mercado oferece vários modelos para que o idoso possa experimentar e verificar a qual deles se adapta melhor.

Existem empresas que oferecem um período de teste: caso o cliente não se sinta confortável com o aparelho, ele poderá devolvê-lo, e o pagamento somente é realizado após a fase de adaptação.

Quando um fonoaudiólogo se faz necessário?

A atuação do fonoaudiólogo começa no momento do exame de audiometria, que detecta o tipo e o grau da perda auditiva.

A partir daí, com a realização de uma anamnese detalhada — ou seja, a conversa que o médico estabelece durante a consulta para saber sobre a vida, hábitos, queixas do paciente etc. —, é possível entender o processo da perda auditiva e até o prognóstico do uso do aparelho auditivo.

Importante salientar que o fonoaudiólogo não trabalha sozinho. Ele precisa da indicação, que é feita pelo otorrino, e de uma boa relação com o profissional.

Após a seleção e adaptação do aparelho auditivo, o idoso recebe orientações sobre os cuidados, os manuseios e a importância do uso constante do dispositivo, que pode ter ajustes diferentes de acordo com a perda auditiva do paciente.

O que o fonoaudiólogo pode fazer por um idoso com perda de audição?

Quando a audição é comprometida, os sentimentos de medo, insegurança e incapacidade surgem e levam o idoso a duvidar de suas habilidades, tanto pessoais quanto profissionais.

Nesse momento, o papel do fonoaudiólogo se torna fundamental, pois ele poderá mostrar como o aparelho auditivo pode melhorar a qualidade de vida do idoso.

Além disso, o profissional será responsável por adaptar o dispositivo às necessidades do paciente. Logo, é indispensável realizar todos os exames solicitados e apurar se existe alguma outra queixa para que o fonoaudiólogo possa indicar o melhor aparelho para o idoso.

Para que o paciente possa se adaptar ao aparelho, ele precisa trabalhar em conjunto com o seu fonoaudiólogo a fim de obter a melhor solução dos problemas ligados ao problema de audição.

O profissional também auxiliará o idoso a fazer o melhor uso do dispositivo para que ele possa manipulá-lo e conseguir, assim, o máximo de aproveitamento possível.

O fonoaudiólogo continuará auxiliando na adequação, realizando as interferências e regulagens necessárias, sempre orientando e dando suporte ao idoso e à sua família para garantir a eficácia do tratamento.

A credibilidade e a confiança do profissional são essenciais para a adaptação e a evolução do processo.

Portanto, quando você for decidir sobre qual aparelho auditivo adquirir, lembre-se de que a empatia e a segurança no trabalho do fonoaudiólogo são imprescindíveis para conquistar o sucesso no tratamento.

Como o fonoaudiólogo pode ajudar na escolha e adaptação de um aparelho auditivo?

É importante que haja uma experiência domiciliar para que o idoso tenha uma breve noção de como o uso do aparelho fará parte de sua rotina e como facilitará a comunicação com os familiares, o que evita o estado de isolamento e depressão que podem ocorrer pela incapacidade de ouvir e entender a fala.

Ao optar pela aquisição do aparelho, tem início o acompanhamento da adaptação pelo idoso. O processo requer visitas frequentes à clínica para ajustes e revisões necessárias.

Essa etapa é a mais importante porque o cérebro receberá novos sons e uma nova aprendizagem ocorrerá — entre 3 e 5 meses — para uma melhora do entendimento das palavras.

Muitas vezes o paciente tem a necessidade de ser ouvido, de conversar, mas às vezes ele não tem essa oportunidade em casa. O fonoaudiólogo, então, acaba desempenhando quase o papel de um psicólogo.

A relação estabelecida entre os dois ajuda na retomada da autoestima do idoso, que muda até a forma de se vestir e fica mais alegre. A partir do momento em que ele coloca o aparelho, volta a ter hábitos que tinha abandonado, como ver televisão, participar de conversas com familiares e amigos, sair de casa etc.

É muito comum que os idosos sejam descritos como distraídos e confusos, mas a realidade é que essas peculiaridades são apenas consequências do problema.

A perda de audição em idosos tem impacto enorme sobre a qualidade de vida. Além disso, se não houver tratamento, a fala também pode ser prejudicada e — conforme o paciente vai perdendo a audição — a comunicação, piorar cada vez mais.

Por isso, é importante estar atento e perceber que a deficiência auditiva  provoca sérios problemas, tanto para linguagem quanto para a memória, o que pode resultar em uma complexa queda na qualidade de vida do paciente.

Conseguiu entender qual é o papel do fonoaudiólogo no tratamento da perda de audição? Então aproveite a oportunidade e entre em contato com a nossa equipe para conhecer nossos aparelhos auditivos de alta tecnologia.

Compartilhar este Artigo