Entenda a importância do aparelho auditivo para idoso

Entenda a importância do aparelho auditivo para idoso

Entenda a importância do aparelho auditivo para idoso

A perda auditiva, em diferentes graus, pode acontecer em diversos estágios da vida e por muitas razões. No entanto, a surdez na velhice é algo muito comum, pois quanto mais ficamos velhos, naturalmente, pode acontecer que o sentido da audição sofra alguma alteração. Com isso, é importante estar ciente que isso pode acometer qualquer pessoa, bem como também as possibilidades de tratamento e variedade de aparelho de ouvido para idoso. 

O ideal é sempre procurar um especialista quando se perceber que algo não esteja bem com a saúde do ouvido. Para uma primeira consulta, tanto um fonoaudiólogo quanto um médico otorrinolaringologista são indicados. Somente esses profissionais da área da saúde é que poderão avaliar a capacidade auditiva de um indivíduo, além de indicar o tratamento mais correto — de acordo com as necessidades específicas de cada um.

Para você que tem dúvidas sobre tratamentos para quem tem problemas de audição e também a indicação de aparelhos auditivos, abaixo, explicamos melhor os principais pontos sobre o assunto. Confira!

Quais os graus de perda de audição?

Antes de pesquisar sobre os tipos de aparelhos auditivos existentes no mercado e também suas indicações, é interessante saber que existem diferentes graus de perda de audição. Entre a capacidade auditiva considerada normal e a perda total desse sentido, existem graduações como perda auditiva leve, moderada e severa, por exemplo.

Para quem está em dúvidas se deve ou não procurar um especialista, é preciso prestar atenção em alguns sinais que podem indicar comprometimento da audição. Entre os principais sintomas que podem levar alguém a um fonoaudiólogo ou otorrinolaringologista estão:

  • pessoas do seu convívio dizem que você não está escutando bem;
  • ao assistir televisão, você tem o costume de deixar o volume do aparelho mais alto do que as outras pessoas;
  • dificuldades para identificar de onde vêm os sons;
  • dificuldades para acompanhar conversas quando se está em grupo ou em locais agitados, como restaurantes.

Percebendo qualquer um desses sinais no seu cotidiano, não hesite em procurar um especialista. Afinal de contas, problemas de audição impactam a saúde e a qualidade de vida das pessoas, especialmente quando não são seguidos os tratamentos necessários.

Normalmente, um exame chamado audiometria é feito para identificar se um paciente tem ou não perda auditiva, inclusive, em diferentes graus. Resultados entre 0 e 20 decibéis (dB) são considerados para uma pessoa com audição normal, enquanto a média entre 91 e 100dB significa perda auditiva profunda.

Para entender melhor a classificação que aparece em um resultado de audiometria, os graus de perda auditiva são os seguintes:

  • 0 a 20dB — a audição é considerada normal, ou seja, a pessoa consegue ouvir todos os sons;
  • 21 a 40dB — esse resultado significa uma leve perda auditiva;
  • 41 a 70dB — a perda auditiva é considerada moderada, inclusive, o indivíduo pode ter dificuldades para ouvir o choro de um bebê, por exemplo;
  • 71 a 90dB — esse caso é considerado como perda auditiva severa, apenas ruídos altos são identificados;
  • 91 a 100dB — essa é a classificação para perda auditiva profunda;
  • acima de 120dB — esse caso é considerado como perda auditiva total, ou seja, nenhum estímulo sonoro é ouvido.

Quando o aparelho auditivo é indicado?

Quando o aparelho auditivo é indicado?

Novamente, somente um especialista poderá indicar ou não a necessidade do uso de um aparelho auditivo. Claro, quanto mais cedo um problema de saúde é identificado, mais facilmente ele poderá ser tratado e a qualidade de vida do paciente não será tão comprometida.

Atualmente, recomenda-se o aparelho auditivo não apenas nos casos mais graves da perda de audição, mas mesmo nos casos considerados mais leves. Contudo, é bom entender que para cada grau existe um tipo de aparelho mais indicado, inclusive, que pode ser regulado de acordo com as necessidades de cada pessoa.

Lembrando de que o aparelho não é indicado apenas para idosos, pelo contrário, até mesmo crianças podem precisar usar esses dispositivos. Inclusive, é muito importante que os pais estejam atentos à saúde do ouvido dos pequenos, ainda mais na etapa da alfabetização, eles precisam contar com toda a capacidade de seus sentidos para desenvolverem a linguagem e também a fala.

Um médico é quem vai avaliar as condições de cada paciente e dizer se é preciso ou não usar um aparelho, mas em geral ele é indicado nas seguintes situações:

  • quando são identificados danos nas estruturas do ouvido, seja por uma doença ou mesmo resultado de traumatismo;
  • otite crônica que pode ocasionar sequelas;
  • quando as células dos ouvidos são prejudicadas, inclusive, por excesso de ruídos, como ouvir música muito alta frequentemente;
  • degeneração natural da capacidade auditiva, conforme a idade avança.

Quais os modelos de aparelhos auditivos?

Assim como há variedade no grau de perda de audição, os aparelhos auditivos também são encontrados em diferentes modelos, sendo perfeitos para as necessidades individuais de cada paciente. Contudo, todos eles têm componentes em comum, que são um microfone, amplificador e receptor, tudo para captar as vibrações sonoras, transformá-las em sinais elétricos e, na sequência, em sons audíveis.

Os modelos de aparelhos mais comuns são os seguintes:

  • intra-auricular — ele se adapta à anatomia do ouvido de cada pessoa e é indicado para desde perdas leves até severas;
  • intracanal — como o próprio nome diz, fica posicionado no canal auditivo, sendo indicado para quem tem perda leve ou moderada;
  • microcanal — também colocado no canal auditivo, pode ser usado para graus leves e moderados;
  • retroauricular — por ser bem potente, é um dos mais usados e também recomendado para a maioria dos graus de perda auditiva.

Para escolher o melhor, novamente, um médico é quem deve dizer as orientações iniciais, principalmente, para que o aparelho não atenda apenas questões estéticas, mas seja o mais funcional possível.

Também, é importante adquirir o aparelho de ouvido para idoso em uma loja especializada, que comercializa apenas os melhores modelos do mercado. Afinal de contas, quando o assunto é saúde, devemos sempre procurar pelas melhores alternativas.

Se você gostou deste post, aproveite e entre em contato conosco, agora mesmo, para conhecer os modelos de aparelhos que temos disponíveis!

Compartilhar este Artigo