Quanto custa um aparelho auditivo? Descubra aqui!

Aparelhos Auditivos

O valor de um aparelho auditivo de qualidade varia entre R$ 3.000 e R$ 15.000. Mas a melhor opção vai depender do modelo ideal para cada caso e das funcionalidades associadas ao aparelho. Por isso, antes de realizar a pesquisa de preços, é interessante buscar mais informações sobre os aparelhos auditivos e uma avaliação médica.

Saber quanto custa um aparelho auditivo e como usufruir dele corretamente são passos importantes para voltar a distinguir sons. Assim, torna-se possível a adaptação à rotina pessoal e profissional daqueles indivíduos com perda auditiva.

No entanto, muitos pacientes ainda têm dúvidas sobre custo, manutenção e qualidade desses dispositivos. Em decorrência disso, acabam adquirindo produtos de lojas não confiáveis ou com funcionalidade reduzida. Sendo assim, é importante conhecer os principais tipos de aparelhos auditivos e escolher aquele que mais condiz com o seu perfil clínico e econômico, para não ter frustrações posteriores.

Quer saber quanto custa um aparelho auditivo, entre outras coisas importantes? Então, não deixe de fazer a leitura até o final e ficar bem-informado!

Quando o aparelho auditivo é indicado?


A perda auditiva (de diferentes tipos e graus) é a deficiência mais comum entre os brasileiros. Ela se caracteriza pela incapacidade de ouvir e/ou compreender os estímulos sonoros do ambiente.

Mesmo tendo essa importância para a população, a maioria das pessoas sabe muito pouco sobre o tema — que, muitas vezes, é tratado com receio ou preconceito. Entre os assuntos relacionados à surdez que precisam ser discutidos, destacamos o uso dos aparelhos auditivos, que é a principal forma de tratamento para o problema.

Dessa forma, após o diagnóstico de perda auditiva, os profissionais clínicos apresentam as alternativas terapêuticas para tratar o problema, tais como o uso de aparelhos ou procedimentos cirúrgicos mais complexos, conforme o tipo de dano que foi identificado.

Ressalta-se que a indicação do aparelho auditivo faz-se necessária quando o indivíduo é incapaz de reconhecer sons ou manter um diálogo adequado entre os colegas, principalmente os que estão em fase escolar.

O que são os aparelhos auditivos?


O aparelho auditivo é um dispositivo eletrônico acoplado dentro ou atrás da orelha, com o objetivo principal de amplificar as ondas sonoras provenientes dos estímulos do ambiente. Essa amplificação das ondas permite que a pessoa consiga ouvir e compreender os sons emitidos.

Todos os aparelhos auditivos são formados por três partes, independentemente do tipo, que são:

  • microfone parte externa e exposta do aparelho auditivo, que tem o papel de captar os sons do ambiente, analisá-los pelo chip de processamento interno, transformá-los em sinais elétricos e enviá-los para o amplificador;
  • amplificador — os sinais elétricos são recebidos, e a potência dos sinais é amplificada;
  • receptor — os sinais elétricos amplificados são enviados para o ouvido por meio do receptor.

Atualmente, existem diversos tipos, tamanhos e modelos de aparelhos auditivos, que buscam proporcionar a melhor experiência para o paciente — de acordo com suas necessidades específicas. Os principais são:

  • micro-canal (CIC) — indicado para casos que vão desde perdas auditivas leves a moderadamente severas, é o menor tipo de aparelho auditivo e tem uma pequena extensão fora do conduto;
  • intra-canal (ITC) — indicado para perdas auditivas leves a moderadamente severas, ele é levemente visível e se ajusta fora do canal auditivo, permitindo um menor volume de ar entre o receptor e a membrana timpânica;
  • intra-auricular (ITE) — aparelho auditivo maior em uma única peça, indicado para perda auditiva leve a severa, é considerado potente e tem um botão de controle manual;
  • retroauricular (BTE) — composto por duas partes, uma posicionada atrás da orelha e outra no canal auditivo, é o aparelho auditivo mais potente, indicado para perda leve a profunda;
  • receptor no canal (RIC) — são os aparelhos mais modernos, indicados para perda auditiva leve a severa, considerados miniaturas do BTE, nos quais o canal não fica ocluído, de forma que o som natural também entre no ouvido.

Na escolha do aparelho auditivo, o profissional de saúde decide junto com o paciente, de acordo com as características de sua perda auditiva, seus desejos e a adaptação ao aparelho indicado.

Após as explicações técnicas, os profissionais clínicos devem apresentar uma média de valor, que facilitará a tomada de decisão pelo paciente, para programação financeira da aquisição do aparelho auditivo.

Também é interessante que os médicos indiquem lojas para a compra do aparelho, que comercializam produtos certificados e que, ainda, ofereçam diversas opções para pagamento integral ou parcelado do item.

Quais são as recomendações para o momento da compra?

Quais são as recomendações para o momento da compra?

Após a definição pela compra do produto, os pacientes devem procurar os atendentes da loja, para que detalhem as diferenças entre os aparelhos de mesma função, porém de marcas diferentes. Nesse momento, também é crucial verificar a procedência dos produtos, analisando, principalmente, se os aparelhos possuem os certificados de qualidade e o registro na ANVISA, condições essenciais para dispensação e utilização do dispositivo.

Isso porque os aparelhos comercializados no Brasil devem garantir efetividade para o que se destinam e causar o mínimo de reações adversas. Alguns são importados e passam por processos diferentes, enquanto os que são fabricados nacionalmente devem ser testados previamente antes de utilizados.

Além disso, é aconselhável fazer uma pesquisa de mercado entre as diferentes lojas que comercializam os produtos e desconfiar de discrepâncias de preços entre o mesmo aparelho, o que pode indicar má fé dos vendedores. Também é possível que alguns estejam comercializando produtos com avarias ou de procedência estrangeira, mas sem autorização legal para isso.

Também é recomendável não adquirir aparelhos em postos ambulantes ou lojas que comercializam diversos produtos importados, principalmente aqueles em outro idioma, que impossibilitam interpretar as informações contidas nos rótulos. Sendo assim, é essencial que o paciente busque lojas específicas sobre artigos médicos, com profissionais qualificados no atendimento, como os fonoaudiólogos, o que facilita o processo de compra.

Quais são as principais marcas de aparelhos auditivos?

Até aqui, você já sabe quando um aparelho auditivo é recomendado, como funciona essa tecnologia e quais são as orientações antes de fazer a compra. Agora, é importante saber um pouco sobre as principais marcas de aparelhos auditivos no mercado brasileiro. Veja um breve resumo sobre cada uma delas, logo a seguir.

Signia/Siemes

Os aparelhos auditivos da Siemes, no Brasil, também vêm com o nome Signia. Ela oferece opções de aparelho personalizadas para diferentes graus de perda auditiva. As versões mais populares da Signia são: Ace, Pure, Motion e Insio. São opções com conectividade, que integram seu aparelho a outros dispositivos via bluetooth, e praticidade, ao permitir que você o controle pelo Signia App.

Phonark

A Phonark promete levar ao cliente uma combinação poderosa de tecnologias para dar mais autonomia a quem usa o aparelho auditivo da marca.

Argosy

A Argosy oferece os principais modelos de aparelhos auditivos para atender a diferentes necessidades de pacientes, com muita tecnologia e praticidade no uso diário.

Quais são os direitos do paciente após a compra?

Ao adquirir um produto, o cliente deve utilizá-lo conforme as recomendações médicas e as instruções da embalagem, realizando os retornos periódicos para melhor adaptação ao aparelho auditivo. Todavia, quando identificar algum problema, deve acionar, primeiramente, a loja onde realizou a compra.

Nesse caso, ele explicará o problema ou as não conformidades do aparelho, como desprendimento de peças, dificuldades na amplificação do som, ajustes pouco flexíveis, dentre outras questões.

Nesse momento, o fonoaudiólogo analisará as condições do produto e fornecerá as informações pertinentes sobre a responsabilidade pela troca, os ajustes necessários, ou se foi detectado mau uso do aparelho auditivo.

Se foram constatados problemas de regulagem, peças, o fonoaudiólogo solucionará na mesma hora o problema. Se for identificado mau uso do aparelho, ou problemas técnicos específicos, o mesmo profissional encaminhará o produto para o laboratório autorizado da marca realizar a assistência. Sendo assim, é importante que o comprador apresente a situação de forma detalhada para que os envolvidos cheguem à solução e garantam a efetividade do tratamento.

É possível ter um aparelho auditivo gratuito?

No sistema de saúde público brasileiro, encontramos um programa voltado para a adaptação gratuita de aparelhos auditivos. Então, sim, é possível obter um aparelho auditivo gratuito. No entanto, existem outros detalhes a serem considerados nessa opção.

Nem sempre os aparelhos auditivos concedidos pelo sistema público de saúde oferecem uma tecnologia de ponta, capaz de melhorar por completo a qualidade de vida do paciente e atender a todos os pontos específicos sobre a perda auditiva.

Outro desafio é o tempo de espera. Conseguir o aparelho por meio do sistema público pode levar anos. Além disso, por conta do volume de pacientes que vão em busca de um aparelho auditivo, o acompanhamento para garantir a adaptação fica extremamente prejudicado.

O paciente precisa enfrentar longas filas para fazer exames, receber atendimento para a regulagem do aparelho e até para agendar consultas. O maior problema é que a longa espera por atendimento é inimiga da saúde auditiva. O estado de saúde é agravado com o tempo, fazendo com que o paciente tenha suas habilidades de escuta e de fala prejudicadas.

A melhor alternativa é pesquisar as melhores opções do mercado de aparelhos auditivos. As marcas oferecem tecnologia de ponta, e os pacientes podem contar com uma maior durabilidade — de, em média, 5 anos de vida. No final das contas, o aparelho auditivo é um grande investimento para a melhoria da qualidade de vida e da saúde auditiva.

Quais são os benefícios do aparelho auditivo?


Saber quanto custa o aparelho auditivo é uma das primeiras preocupações do indivíduo que investirá recursos financeiros para melhoria da sua audição. Porém, existem vantagens importantes ao indivíduo no uso dos aparelhos. E, tão logo for detectada a perda auditiva, seu tratamento deverá ser iniciado.

Assim sendo, cabe aos profissionais de saúde a descrição das vantagens clínicas, econômicas e sociais que serão percebidas após o retorno da condição auditiva, perdida há tempos e sem resolução específica.

Explicaremos, a seguir, alguns benefícios para o indivíduo após a adaptação do aparelho auditivo adquirido. Acompanhe conosco!

Maior longevidade

A perda auditiva é um problema relativamente comum entre as pessoas da terceira idade, com o aumento da incidência com o passar dos anos. Estudos realizados com idosos com perda auditiva demonstraram que: aqueles que usam aparelhos auditivos têm uma taxa de mortalidade menor do que os que não fazem uso.

Esse fato pode ser explicado pela maior interação com os colegas e membros familiares, diminuindo, assim, as chances de desenvolvimento de doenças psiquiátricas, principalmente depressão, que pode levar ao suicídio na terceira idade.

Prevenção de problemas de desenvolvimento

A audição é um dos sentidos mais importantes no desenvolvimento da criança, de forma que a perda auditiva interfere no desenvolvimento da fala e da linguagem, que são os principais elementos para a comunicação.

Dessa maneira, a perda auditiva não tratada pode comprometer o desenvolvimento infantil. O uso precoce do aparelho auditivo em crianças com perda facilita o aprendizado da linguagem, além de prevenir possíveis problemas de desenvolvimento associados.

Sendo assim, é imprescindível identificar problemas na compreensão de sons pela criança e intervir precocemente. Outro ponto importante é conscientizar os pequenos sobre a importância de usar os aparelhos auditivos diariamente para brincar com os colegas e aprender novos conteúdos.

Melhora do convívio social

Uma das principais consequências negativas da perda de audição é o isolamento social. A pessoa sente dificuldade para participar de conversas e frequentar ambientes mais movimentados e ruidosos, de forma que, gradualmente, se afasta das atividades em grupo. Em casos mais graves, o simples bate-papo com um familiar fica impossibilitado. O uso dos aparelhos auditivos resgata o convívio social e as atividades em grupos, dentro ou fora de casa.

Além disso, a causa de impaciência com os idosos está diretamente relacionada à repetição frequente dos diálogos, causando irritabilidade e frustração de todos. Com o uso do aparelho auditivo, a relação volta ao equilíbrio esperado.

Prevenção de demências

Pesquisas realizadas nos Estados Unidos demonstram que a perda de audição em idosos está relacionada ao desenvolvimento de demências. Quanto maior a perda sem tratamento, maior a chance de desenvolverem doenças como o Alzheimer.

Esse mal é uma condição clínica complexa que afeta a capacidade cognitiva, posteriormente, causando debilidade física. No entanto, alguns estímulos visuais, táteis e auditivos podem amenizar o estado clínico do indivíduo, para aproveitar os momentos de melhor convívio antes da progressão da doença.

Maior produtividade

Outro âmbito da vida que costuma ser muito afetado pela perda auditiva é o profissional. Muitas vezes, a perda da audição impossibilita totalmente a pessoa de trabalhar, de acordo com seu tipo de emprego.

O aparelho auditivo permite que o indivíduo volte às suas atividades profissionais e seja mais produtivo. Isso porque seus sentidos voltam a funcionar em conjunto, o que pode facilitar uma ascensão profissional, ora perdida pela incapacidade de compreender os sons.

Maior qualidade de vida

De forma geral, todos os benefícios combinados ao uso de aparelhos auditivos trazem uma melhoria para a qualidade de vida da pessoa com deficiência. Eles possibilitam que o indivíduo volte a ter experiências sonoras e conviva novamente com o mundo externo e com outras pessoas. Com isso, aumenta também sua confiança e autoestima.

Além disso, o sentimento de retorno da audição e possibilidade de realizar atividades que foram limitadas pelas perdas auditivas são condições que despertam emoções positivas imensuráveis.

Quanto custa um aparelho auditivo?


O valor de um aparelho auditivo pode variar bastante, de acordo com o tipo, a marca e a qualidade do modelo escolhido. Estima-se que aparelhos de qualidade variam entre R$ 3.000 e R$ 15.000. Essa oscilação pode ser justificada por:

  • conectividade com celular e TV;
  • aparelhos livres de bateria;
  • aparelhos com recursos especiais, que melhoram o entendimento da fala em ambientes com ruído;
  • sensor de movimento, para aprimorar a audição mesmo durante a realização de alguma atividade;
  • ligações telefônicas direto do aparelho auditivo;
  • aparelhos resistentes à água;
  • gerador de som, que auxilia no tratamento de zumbido;
  • ajustes por botão ou controle remoto;
  • proteção contra efeitos da umidade e oxidação.

Os aparelhos com menos recursos têm preços mais baixos — e o valor aumenta de acordo com a sofisticação e a presença de recursos. São essas funcionalidades que estão relacionadas com o tamanho do investimento.

É importante que a pessoa entenda a importância de buscar por um aparelho de qualidade, que garanta que não sejam causados danos e, ainda, que ela terá a melhor experiência de adaptação e todo o acompanhamento fonoaudiológico posterior à compra.

Além disso, o indivíduo deve buscar por um aparelho que se ajuste às suas necessidades específicas auditivas. Quem é ativo, trabalha e lida com diversas situações que exigem uma audição clara — como reuniões ou conferências online — precisará de um modelo com mais recursos para ter suas demandas atendidas.

Já aquele que fica mais em casa, lida com poucas pessoas e não frequenta muitos ambientes diferentes não precisará de vários recursos para ter suas necessidades auditivas supridas.

O aparelho auditivo representa uma grande mudança para melhor. Por isso, seu valor vai muito além daquele em espécie. O dispositivo representa um novo papel que a pessoa passa a exercer dentro da sociedade, como alguém que volta a se sentir integrado.

Dessa forma, é indicado que, antes de escolher o aparelho, se procure uma empresa especializada no ramo para solicitar um atendimento mais específico e de qualidade.

Quais fatores impactam no valor do aparelho auditivo?


A hierarquia de qualidade é um fator determinante para definir quanto custa um aparelho auditivo. Afinal, a tecnologia e os recursos disponíveis em cada um dos modelos impactará no valor do investimento que precisará ser feito.

Dessa forma, se você quer um modelo mais básico e, por consequência, mais barato, ele terá os recursos menos sofisticados do mercado. Existem os modelos intermediários, com valores médios e uma tecnologia que, apesar de não ser de ponta, pode trazer recursos interessantes para os usuários.

Claro, para aqueles que querem fazer um investimento um pouco maior, prezando por excelentes experiências, existem opções mais tecnológicas, com recursos diferenciados e que prometem trazer mais conforto e performance para os usuários.

Quais aparelhos auditivos são mais recomendados?


O preço é um fator muito importante ao fazer uma escolha, mas não deve ser o único aspecto a se considerar. O que define o verdadeiro valor do aparelho são as suas eficiência e utilidade. Ao levar em consideração apenas o preço, corre-se o risco de ir em busca do “mais barato”, que nem sempre é opção com a maior vida útil ou maior número de funcionalidades agregado.

Portanto, é interessante que se saiba desde já que o nível de satisfação com o custo-benefício do aparelho vai variar de caso para caso. Para iniciar o processo de reabilitação da audição, marque consulta com um fonoaudiólogo para você passar por exames e diagnósticos.

Como encontrar bons aparelhos auditivos?

Em primeiro lugar, é preciso buscar uma empresa de confiança, que garanta a adequação dos aparelhos para os usuários, analisando quais opções são mais anatômicas e se adaptam melhor às necessidades de cada um.

Algumas oferecem serviços como avaliação, checkup e gratuitos, por exemplo, de consultas e exames, que estão inclusos no valor total do aparelho. Por isso, antes de fazer uma escolha, é essencial que você esteja ciente do que está sendo incluído naquele valor, quais são os benefícios, os serviços adicionais e, principalmente, se eles fazem sentido diante das suas necessidades. 

A empresa deve oferecer um bom serviço pós-venda e um ótimo suporte técnico. Também pesquise o leque de serviços como diferenciais. Na A&R Aparelhos Auditivos, por exemplo, nossos parceiros têm acesso a programas de acompanhamento, audiometria anual, ajustes e regulagens de aparelhos e revisão completa.

Saber quanto custa um aparelho auditivo é uma das preocupações do indivíduo que recebeu recentemente o diagnóstico de perda auditiva. Mas, além do investimento financeiro, é preciso levar em consideração a qualidade e procedência do produto adquirido, os diversos recursos inseridos no dispositivo e a orientação adequada sobre as marcas disponíveis no mercado.

É fundamental compreender as vantagens desse uso para decidir prontamente pela aquisição e pelo cuidado com o aparelho auditivo. Gostou de saber quanto custa um aparelho auditivo? Está em busca de uma empresa que possa ajudá-lo? Então, entre em contato conosco para conhecer nossos serviços e produtos!

Deixe um Comentário